Seguidores

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Voo 1549- Acidente no rio Hudson



Você se lembra deste acidente? Nestas imagens, você pode ver e ouvir tudo o que aconteceu,com as comunicações entre tripulantes e entre tripulantes-controle...
Se você quiser tela cheia, clique com o botão direito do mouse sobre o video e escolha "Watch on You Tube", ou então copie e cole:

http://www.youtube.com/watch_popup?v=tE_5eiYn0D0

terça-feira, 13 de abril de 2010

SR-71 "Blackbird"



Dica do meu amigo Professor DiAfonso...


SR-71 Blackbird
Lockheed SR-71 Blackbird

Descrição:
Fabricante: Lockheed Martin
Primeiro vôo: 22 de Dezembro de 1964
Entrada em serviço: Janeiro de 1966
Missão: Reconhecimento/Vigilância
Tripulação: 2, um piloto e um operador de sistemas

Dimensões:
Comprimento: 32,74 m
Envergadura: 16,94 m
Altura: 5,64 m
Área (asas): 167,2 m²

Peso:
Tara 27.000 kg
Peso total 66.000 kg
Peso bruto máximo 77.000 kg
Propulsão:
Motores: 2× Pratt & Whitney J58-1 T11D-20B
Força (por motor):144 kN

Performance:
Velocidade máxima: 4.300 km/h (Mach: 3,5)
Alcance: 4.800 km
Teto máximo: 28.000 m

Mísseis/Bombas: não tem


O Lockheed SR-71 Tipo A, também conhecido por Blackbird, é um avião de reconhecimento estratégico (daí o "SR": Strategic Reconnaissance) de longo alcance desenvolvido pela Lockheed a partir dos projectos YF-12 e A-12.

O famoso Clarence "Kelly" Johnson é o nome por detrás de muitos dos conceitos avançados da aerodinâmica desse avião. Sua fuselagem foi feita com ligas de titânio para suportar as altas temperaturas em torno de 200 a 300 graus celsius, causadas pelo atrito com o ar em virtude da alta velocidade alcançada.

Como sua fuselagem foi feita em placas para poder dilatar-se durante o vôo, o SR-71 é conhecido por vazar quando está no chão; pelo seu fluido hidráulico congelar em temperaturas de 30 °C e pelo modo peculiar de ativação dos motores. Por ser a J-58 uma turbina de grande porte e pesada demais (9 estágios de compressão de fluxo axial) para um sistema pneumático comum, a ativação era feita por um motor V-8 envenenado ligado por engrenagens diretamente no eixo da turbina, nos primeiros anos.

Seu vôo em altas temperaturas também não seria possível sem o combustível especial desenvolvido para ele, o JP-7, tão viscoso e pouco volátil que era possível apagar facilmente um fósforo aceso num balde de JP-7. O JP-7 não queimava com o motor frio, assim na hora da partida era preciso pré-aquecer as turbinas com outra "formula de bruxa", o borato de trimetila - que fazia uma característica chama verde.

O Blackbird foi construído inicialmente com uma nacele, para somente um piloto, eram os chamados A-12, em sua segunda versão, denominada SR-71 A, possuía duas naceles, para dois tripulantes em assentos tandem, ficando o piloto na nacele da frente, enquanto o operador de sistemas ia na nacele de trás. Havia também a versão B usada para treinamento, que possuía duas naceles, e acomodava dois pilotos, em que a nacele traseira ficava mais elevada em relação a dianteira. Para as missões em grandes altitudes e velocidades, ambos os tripulantes usavam uma roupa pressurizada, que lembra os primeiros trajes dos astronautas. Para sua construção, foram criadas máquinas ferramentas (máquinas operatrizes) com o fim específico da construção dos componentes para este avião. Quando do encerramento de sua produção, as máquinas foram destruídas, impossibilitando assim que novas peças e/ou unidades do SR-71 fossem feitas novamente e, com o fim da Guerra Fria, não mais era viável seguir utilizando um avião com hora de vôo de custo tão elevado.

Por vários motivos, o SR-71 foi desativado. Entre eles, fatores políticos, custo operacional e o advento dos satélites. Apenas 3 são mantidos ativados pela NASA para estudos. Esse avião voava tão alto e tão rápido que, perseguido por um míssil terra-ar, a manobra de evasão clássica era simplesmente acelerar. Com base em Beale, na Califórnia, a unidade equipada com SR-71 estava em diferentes bases, principalmente na Inglaterra e no Japão, para fazer cobertura aérea em todo o mundo.

À altitude operacional, o SR-71 conseguia fazer a vigilância de uma superfície de 270.000 km² por hora, o que lhe permitia operar no Vietnam do Norte, na China, na União Soviética, em Cuba ou na Coreia do Norte sem entrar no espaço aéreo respectivo. Nenhum dos 33 SR-71 fabricados foi abatido até a atualidade,no entanto 12 unidades foram perdidas em acidentes. Em um dos seus últimos vôos fora dos EUA, um SR-71 foi exibido em feira aérea em Paris, e no retorno aos EUA, bateu novo recorde de velocidade. Devido ao fuso horário, o avião chegou aos EUA aproximadamente 4 horas antes do horário em que decolou de Paris.

Fonte: Wikipedia

sexta-feira, 9 de abril de 2010

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Video do acidente em Lages

Piloto morre em acidente com a Esquadrilha da Fumaça em Santa Catarina.


Lages, SC:
Um piloto da Esquadrilha da Fumaça morreu nesta tarde de 02/04, durante apresentação da acrobacias no Aeroclube de Lages, aproximadamente 17:30 horas local.
A Esquadrilha se apresentava em comemoração ao aniversário do aeroclube, quando a aeronave de número 7 ficou sem controle e bateu no solo, explodindo em seguida.
O piloto não teve tempo de acionar o assento ejetável.
Este blog envia seu sentimento de solidariedade e pêsames à familia do piloto, aos seus companheiros de esquadrilha e à comunidade aeronáutica em geral.
Morreu fazendo o que amava. Descanse em paz.